17.1.09

Sentia-se destruída, marreca, possessa, com vontade de dar um pontapé na cadeira, por ter sido delicadamente convidada, ou examinada, pelo Farmacêutico a falar de coisas, em que ambos estamos profissionalmente envolvidos: os medicamentos, a sua composição química e biológica. Terreno arenoso, mas lá fui abrindo a comunicação procurando partilhar ou dar uma ideia do meu pequenino conhecimento...

Não quis prosseguir o diálogo, nem de Assunto Específico de Farmácia. Deu-me uma branca e comecei a chorar. É que não me lembrava que havia um Específico Farmácia - apenas o terror do quimíco-biológico estava presente no meu cérebro.

Foi pouco profícua a minha tarde na biblioteca. Dirigi-me de novo à Farmácia.

- O Farmacêutico não está. Agora só segunda-feira, da parte da tarde!

Eu se calhar sou uma pessoa carente. E bloqueio muito. Não me sinto à vontade com o espaço cerebral que me cabe, nem consigo discorrer como as cerejas que se desenrrolam com a conversa. O que aprendi com os meus vintes,trintas e quarentas foi a estar calada. Marca indelével que adquiri e p'la qual fui marcada p'lo macho que domina a minha família, na posição de companheiro da minha irmã mais velha. O que vale é que eu não lhe falo, e recuso determinantemente reuniões de Família.

Recuperei o meu nome, recuperei a minha solitária vida. Pena é que a minha irmã mais velha venha p'ra mim com costumes daquele abutre. Se algum dia eu conseguir quebrar aquela cadeia, é p'ra nunca mais, que já lá vão vinte anos neste penadouro.

link do postPor memorexquer, às 19:13 

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



 
mais sobre mim
Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15

19
20
21
22
23
24

26
27
31


arquivos
2009

2008

subscrever feeds
blogs SAPO