10.1.09

Como eu queria, ser normal! Ter uma família que me defendesse... que me pusesse à frente de tudo e de todos... como eu queria que os outros (o mundo), acreditasse em mim...

como eu desejaria que o sexo oposto aceitasse que eu não sou travesti, que dou paixão na medida em que  sinto paixão despertada num homem, na medida em que gosto de ser penetrada.

Como é desgostoso o estado lastimável em que o princípe da dinamarca me deixou.

Como é possível passar por burra, quando o meu único pecado é não ser socializável.

Quando de resto, para além de uma sensibilidade apuradíssima, funciono em termos de comportamentos interpessoais, e infelizmente não tenho como evitar e rebater o sistema e os outros que incarnam e interpretam esta velhaca estrutura  sistémica pejada de pulgas por todo o lado. Ainda não arranjei o antídoto para matar estes escaravelhos e pisar as lagartixas, que ficam com o rabo a mexer mesmo depois de mortas!

Mas o que é facto é que fico relaxada quando mato algum desses animais repelentes...

Como é facto é que amanhã faço 48 anos... Como eu vou arranjando forças para lutar contra este mundo esterlizado em éter e massificado em opiniões difundidas parabólicamente.

Desgostosa com o lado direito, massemédiamente populista, desejaria uma social-democracia, julgo que encabeçada por Troski. Desejaria que a Ki falasse comigo sobre isso. Ela ou outro bloguista...

link do postPor memorexquer, às 22:20  comentar

 
mais sobre mim
Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15

19
20
21
22
23
24

26
27
31


arquivos
2009

2008

subscrever feeds
blogs SAPO